Além das visitas virtuais, digitalizar o processo desde o primeiro passo até fechar o negócio, sem necessidade de contactos pessoais, é o objetivo da IBC Imobiliária

O imperativo de "distância social" com a pandemia do novo coronavírus, que vai "afetar Portugal durante os próximos tempos", levou a IBC Imobiliária a acelerar a tecnologia de virtualização no processo de compra de casas.

A figura do 'consultor digital' resulta de "uma abordagem estruturada, apoiada em tecnologia, formação e marketing que vamos proporcionar aos nossos consultores, e que lhes vai permitir que sejam os mais bem preparados do mercado neste contexto de distanciamento social""Vamos digitalizar os passos desde o primeiro contacto até ao fecho do negócio".

Lembrando que "neste momento, já é possível efetuar angariações, visitas e 'open houses' virtuais".

"O mercado imobiliário não está parado, mas está 'adormecido' por causa do imperativo do distanciamento social",  relativamente à situação que o sector vive com o Covid-19.

"Os clientes que pretendem comprar ou vender estão na expectativa, sem saber o que fazer", o que é "consequência da perspetiva atual dos clientes de que o processo de compra e venda de casa requer um elevado número de contactos pessoais com todas as pessoas envolvidas no processo e, isso está a tornar-se um fator inibidor de atuação por parte destes", - dando aqui a garantia que a tecnologia permite aos consultores da empresa "digitalizar ao máximo o seu serviço, desde o primeiro contacto até à conclusão do negócio, para garantir um mínimo de interações pessoais entre todos os intervenientes no processo de compra e venda".