De acordo com a CBRE, 2022 será um ano marcado por certificações ambientais, sendo que estimativas indicam que 83% dos investidores imobiliários preveem uma procura crescente por edifícios sustentáveis*.

Já existem várias certificações ambientais e de sustentabilidade, como é o caso do BREEAM, LEED, LiderA, entre outros, e, mais recentemente, o WELL, um certificado que assegura a saúde e o bem-estar humano num edifício. Assim, sendo uma tendência crescente, a GesConsult, empresa especializada na gestão e fiscalização de obras, dá a conhecer cinco aspetos ecológicos a ter em conta, no momento de construir ou remodelar uma casa, conforme comunicado enviado ao SUPERCASA Notícias.
 
1. Localização do projeto: a decisão sobre o terreno de implantação de uma habitação dá o mote para uma construção mais ou menos sustentável. É importante estudar a tipologia do terreno e o ambiente existente, de modo a adaptar a construção o mais possível garantido uma pegada ecológica mais reduzida;
 
 
2. Escolha de materiais: numa casa “verde”, a decisão sobre matérias-primas tende a privilegiar as provenientes de uma produção sustentável ou com origem reciclada. Assim, na hora de tomar decisões, seguir o caminho sustentável passa por contemplar os materiais certos;
 
3. Isolamento térmico: apostar no isolamento térmico adequado de pavimentos, paredes, tetos e mesmo janelas aumenta a eficiência energética de uma casa, além de significar poupança para a carteira - e uma casa energeticamente eficiente é uma casa mais “amiga do ambiente”;
 
 
4. Sistemas de reaproveitamento: integrar equipamentos e soluções que tirem o máximo rendimento de energias renováveis, como por exemplo painéis solares, permite apostar no reaproveitamento a longo-prazo, garantindo mais um passo rumo a uma habitação “verde”;
 
 
5. Gestão de resíduos e energia: o consumo excessivo de materiais e de energia cria um impacto gigante em recursos que são limitados. Integrar sistemas de gestão de materiais e de água em casa ajuda a reduzir efeitos negativos no ambiente.
 
 
Ter uma casa sustentável pode implicar algum investimento inicial, porém, a poupança a longo-prazo é compensadora a vários níveis. Preparar e adaptar as habitações para as alterações climáticas em curso nunca foi tão importante, e a GesConsult conta com uma equipa experiente que aconselha sobre as alternativas ecológicas existentes.